segunda-feira, 2 de novembro de 2020

CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO NO BRASIL

Mensagem do professor José Mauro da Costa, idealizador e coordenador do 

LIVRO DE GRAÇA NA PRAÇA




Alô, pessoal.

 

CONSIDERAÇÕES SOBRE A EDUCAÇÃO NO BRASIL

 

 

"Educação não transforma o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas transformam o mundo" (Paulo Freire)

"Se você acha que a Educação é cara, experimente a ignorância" (Derek Bok)

"A crise da Educação no Brasil não é crise. É um projeto" (Darcy  Ribeiro)

 

Um projeto construído e mantido por todos os governos. Dela, a Educação, desdenham, corrompem-na,  humilham-na. Por estimativa do Banco Mundial, de 2018, o Brasil demorará 260 anos para atingir nível de leitura dos países desenvolvidos. Bem, estamos em 2020, então restam apenas 258 anos.

 

"O que me preocupa não é o grito dos maus mas o silêncio dos bons" (Martin Luther King)

 

Exemplos recentes comprovam o desdém, a falta de compromisso dos governantes. Chefe de  Governo destemperado, ministros despreparados. Cinemas, museus e teatros fechados, incendiados ou transformados em boates e agências bancárias. 

Vejam este  exemplo: a Imprensa Oficial de nossa MG, órgão secular, porque sadia e bem administrada(só pode ser por isso)recentemente virou fumaça com uma simples canetada governamental. Estupro cultural,  foi dito na época. 

 

"De tanto ver nulidades, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto"  (Rui Barbosa, discurso no Senado Federal, 1914).

 

A mim me honram os exemplos de ilustres escritores e educadores que  pensaram nas próximas gerações. Darcy, já citado (lembram-se dos Ciep's? ), Paulo Freire (ofendido pelo atual presidente), Monteiro Lobato (Um país se faz com homens e livros),Florestan Fernandes, Anísio Teixeira, Helena Antipoff  (cuidar de crianças e adolescentes com necessidades especiais).

 

                                                                         *

 

Há 520 anos nosso país é roubado, espoliado, campeia a politicagem malandra - exceções à parte. Desde a carta de Caminha  -  em que solicita certo "arranjo" ao rei de Portugal, nada mudou. Nestes tempos atuais os "arranjos" são desavergonhadamente acertados à luz do dia, com televisão a testemunhar nem um mínimo de compostura, a mostrar aos brasileiros os palavrões e descabidas propostas em reunião ministerial. 

Dos ex-ministros da Educação e da Cultura do atual governo prefiro não falar o que penso, em respeito ao leitor.

É, nós éramos infelizes e não sabíamos.  Agora sabemos.

 

"Esta terra ainda vai cumprir seu ideal" (Chico Buarque de Holanda, "Fado Tropical"). Ainda?...

 

                                                                            *

 

Artigo 208, parágrafo 2°, da Constituição da República Federativa do Brasil: "O não oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder Público,  ou sua forma irregular, importa responsabilidade da autoridade competente."

 

"Mentiram-me.  Mentiram-me ontem

e hoje mentem nova/mente. Mentem

de corpo e alma, completa/mente.

E mentem de maneira tão pungente

que acho que mentem sincera/mente

                           ...

E de tanto mentir tão brava/mente

constroem um país

de mentira

diária/mente"

(Afonso Romano de Sant'anna, "Que país é este?")

 

                                                                           *

 

Surge um novo presidente, a proclamar "A Constituição sou eu". Que tentativa insana, meu Deus! querer imitar Luís XIV ( "O Estado sou eu"), aquele tal rei sol, pervertido e obsceno.

E certos vassalos  de alto coturno a lhe bajular as botas. Se não, são perversamente defenestrados. "Ele manda, eu obedeço" assegurou o ministro de 3 estrelas, abdicando-se da autonomia que lhe conferem o cargo e a função. Tão cegos na subserviência que nem ousam observar que também esse "rei" está nu.  Por conta dessa vassalagem ninguém vê, não ouve, não fala, tal e qual aqueles três macaquinhos.

 

"Já não restam deveres para aquele cujo amor único é o EU, que se deleita no EU  e no EU repousa satisfeito"

(Bhagavad Gita, CAP. 15)

 

"Até quando, Catilina , abusarás de nossa paciência? Por quanto tempo ainda há de zombar de nós essa sua loucura?"

(Marco Túlio Cícero, no Senado Romano, 63a.C.)

 

A meu juízo, do que se precisa é o governo acabar com esse maniqueísmo, com esses sofismas.

E parar de discutir o que é certo ou errado fazer, evitar as chamadas "fake-news", as intrigas palacianas. E começar a dar o bom exemplo ao povo brasileiro. O presidente costuma fazer citações religiosas. Sugiro a S.Exa., com todo o respeito, reler em sua Bíblia, Mt 5,37 e 15,11.

 

                                                                          *

 

O princípio  da Educação é pregar pelo exemplo. Concretizar um sonho, um ideal.

Idealismo não é sonho.  Me digam: quanto basta o "Imagine" como Lennon  propunha? "Se tudo é  sonho, o sonho é nada" (Fernando Pessoa). Idealismo não se confunde com Ideologia política. 

Caros amigos : nós,  do Livro de Graça na Praça,  sonhamos e agimos. Lutamos o bom combate.

Altruisticamente. Pela Educação no Brasil. Pelo bem do Brasil. Por esta terra amada Brasil. Nosso  excelso exemplo de cidadania.  

 

                                                                          *

 

Esta é uma mensagem de despedida.

Não há necessidade de explicações.  Por motivos pessoais, lhes digo.

Cuidarei para que o blog permaneça ativo porque retornarei à origem - às praças  -  onde  tudo começou. 

Agradecimento é devido a todos, pelo convívio que fortaleceu o espírito de companheirismo  ("cum pane"). Mas impossível fazê-lo diretamente aos 286 escritores, às parcerias, aos inúmeros colaboradores e a um tantão de incentivadores. Faço-o, me permitam, por seus intermédio, recordando-me,  nestes 18 anos, de um por um, essa enorme rede do bem.

Por final, aproprio-me  -  e a ele me alio  - de trecho da música "Divina Comédia Humana", do inesquecível cantor Belchior, que tive a satisfação de conhecer  em Sobral, sua terra natal:

 

          "Ora direis, ouvir estrelas,

          Certo perdeste o senso

          E eu vos direi no entanto:

          Enquanto houver

          Espaço, corpo, tempo e algum modo de dizer NÃO 

          Eu canto!"

 

 Fraternal abraço.

 

José Mauro, na primavera de 2020 em Belo Horizonte

domingo, 25 de outubro de 2020

O Boi Zebu e as Formiga, o livro

Clique na capa para ler ou baixar a edição comemorativa dos 18 anos do Livro de Graça na Praça

Boa leitura



terça-feira, 20 de outubro de 2020

Edição comemorativa aos 18 anos do Livro de Graça na Praça é distribuída aos autores



As fotos:











































O vídeo:









quarta-feira, 9 de setembro de 2020

O 18° Livro de Graça na Praça foi adiado. Conheça a capa do livro de 2020

Como previsto, o nosso evento, com a distribuição dos livros na Praça de Santa Tereza, foi adiado.

Esperamos que o lançamento da obra “O boi zebu e as formiga”, em comemoração ao décimo-oitavo aniversário do Livro de Graça na Praça, possa acontecer em meados de outubro ou novembro.

Em breve, o livro será disponibilizado no blog para quem desejar.

Abaixo, a capa do livro, com ilustração do artista plástico Walter Lara e, nas  orelhas, texto do nosso companheiro  Eugênio Ferraz.





sexta-feira, 5 de junho de 2020

Livro de Graça na Praça 2020

18ª edição do Livro de Graça na Praça
Título: O boi zebu e as formiga
Ilustrações: Walter Lara
Prefácio: Arthur Vianna

Relação dos autores:

Álvarenga Peixoto - Liras (Bárbara bela)

Augusto do Anjos - A Idéia

Bruno Terra Dias - Chico Pessoa

Bule-Bule -  Coração de poeta

Christian  Coelho - A pedra

Cícero Christófaro - Amor...Paixão. ..Ciúme

Dagmar Braga - (sem titulo)

Everaldo Chrispim - A terna paixão

Fabiano Salim  - Estrela de rua

Fábio Lucas - O zelador do céu 

Fernando Fabbrini  - Quando dá o trem

Fernando Sabino- Basta saber Latim

Geraldo Amâncio -  Homenagem aos 18 anos do LGP

Gonçalves Dias - Canção do exílio

Gregório de Matos - Implorando perdão

Guilherme Sabino - Um lanche delicioso 

João Camilo Torres - Dionísio,  o invicto

José Flávio Vieira - Assim na Terra como no Céu 

José Mauro da Costa - A trama da aranha

José Paulo Cavalcanti - Todo o Mundo e  Ninguém 

Josenir Lacerda - Certas dores

Jussara de Queiroz - O trem das estepes 

Klévisson  Viana -  Embrapa

Lamartine Babo - Eu sonhei que tu estavas tão linda

Leida Lusmar - Herança

Marco Haurélio - Projeto Tamar

Mario de Andrade - A Serra do Rola-moça

Olavo  Bilac - Ouvir estrelas

Olavo Romano - Formigas e Taiobas

Patativa  do Assaré - O boi zebu e as formiga

Rogério Faria Tavares - Margareth Marques

Rouxinol do Rinaré - Rede Mata Atlântica 


Adendo: Poesias, trovas e desafios de vários poetas e cordelistas nordestinos
Concurso: não houve contos classificados no 10o Concurso Nacional de Contos LGP

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Concurso Nacional de Contos: entrega final adiada para 31 de maio

Os organizadores do Concurso Nacional de Contos Livro de Graça na Praça comunicam o adiamento para o recebimento dos contos: 31 de maio de 2020.
Veja a nota distribuída pelo Livro de Graça na Praça:

Livro de Graça na Praça adia Concurso Nacional de Contos

O 10º Concurso Nacional de Contos, realizado pelo projeto Livro de Graça na Praça com o apoio da Academia Mineira de Letras, teve o seu prazo final de entrega adiado para o dia 31 de maio de 2020, um mês a mais do que o prazo anteriormente previsto. A alteração foi motivada pelas dificuldades de acesso aos Correios pelos participantes em algumas regiões do país.

Voltado a autores brasileiros, o concurso comemora o 18º aniversário do Livro de Graça na Praça e selecionará contos para a publicação que será distribuída gratuitamente no evento a ser realizado em Belo Horizonte no próximo mês de  setembro. Com o tema livre, o objetivo do concurso é o de contribuir para o desenvolvimento da Educação em nosso país por intermédio da escrita e da leitura e estimular a prosa literária.

O edital, assim como outros comunicados, pode ser acessado pelo endereço http://livrodegracanapraca.blogspot.com/2020/01/lancado-o-edital-do-10o-concurso.html. Além do blog, os interessados podem entrar em contato pelos e-mails livrodegracanapraca@gmail.com ou arthurviannanet@gmail.com.

sábado, 14 de março de 2020

10° CONCURSO NACIONAL DE CONTOS DO LIVRO DE GRAÇA NA PRAÇA

O edital do 10° Concurso Nacional de Contos 
Livro de Graça na Praça está publicado abaixo. 
Informações sobre o concurso pelos e-mails: livrodegracanapraca@gmail.com ou arthurviannanet@gmail.com

terça-feira, 10 de março de 2020

Concurso LGP na imprensa


terça-feira, 28 de janeiro de 2020

Lançado o edital do 10o Concurso Nacional Livro de Graça na Praça

10° CONCURSO NACIONAL DE CONTOS DO
LIVRO DE GRAÇA NA PRAÇA

(livrodegracanapraca.blogspot.com.br)

O projeto Livro de Graça na Praça, com apoio da Academia Mineira de Letras, torna público que estarão abertas, no período de 1° de março a 30 de abril deste ano, inscrições para concurso literário,  na categoria de contos, que se realizará como parte do evento a ocorrer em Belo Horizonte no próximo mês de setembro. 

1) OBJETIVO DO CONCURSO
1.1- contribuir para o desenvolvimento da Educação em nosso país, por intermédio da escrita e da leitura;
1.2- estimular a prosa literária,  no formato de conto, que consagra e consagrou inúmeros escritores e marca nossa história cultural.

2) TEMA
     O tema é livre

3)  CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO
3.1. qualquer pessoa brasileira, natural ou naturalizada;
3.2. cada concorrente poderá inscrever apenas um conto original, ou seja, que não tenha sido premiado em outros concursos, publicado em livros, coletâneas e revistas ou divulgado por qualquer tipo de mídia, inclusive Internet. 

4)  DOS CONTOS
4.1.- o conto deverá ser apresentado em três vias, escrito em língua portuguesa, sem gravuras ou desenhos, observadas as normas gramaticais vigentes, digitado em espaço 1,5 (um e meio), fonte Times New Roman, tamanho 12 (doze), impresso na frente do papel, todas as margens com 2,5 cm, alinhamento de parágrafo justificado, obedecendo a um limite máximo de 4 laudas (folha de papel tamanho A4), todas numeradas no canto superior direito;
4.2.- na primeira página impressa deverá constar o título da obra e, abaixo, o pseudônimo do autor. Não há necessidade de capa nem folha de rosto.

5- DA INSCRIÇÃO E HABILITAÇÃO 
5.1.-  a inscrição é gratuita; 
5.2.- serão consideradas inscritas as obras devidamente envelopadas (5.3 seguinte), entregues diretamente ou enviadas pelos Correios. Endereçamento a ser observado:
CONCURSO NACIONAL DE CONTOS - LGP 2020
Avenida Augusto de Lima, 407, conj. 703
CEP 30.190-000  Belo Horizonte MG
5.3.- as vias do conto deverão ser encaminhadas, da seguinte forma:
        Um envelope deverá conter as 3 vias do conto e outro envelope menor, lacrado, contendo em sua frente apenas o título do conto e o pseudônimo do autor e, em seu interior, uma folha com o título do conto, o pseudônimo e a identificação completa do autor: nome, endereço, data do nascimento, n° de telefone e e-mail;
5.4.- serão desconsiderados envelopes postados fora do prazo (30 de abril);5.5- para atender a exigência dos correios e preservar a identificação, faça o concursante constar como remetente o seu pseudônimo e seu endereço completo;
5.6. os concursantes menores de idade deverão anexar autorização de um dos pais ou responsável;

6. DA AVALIAÇÃO E RESULTADO
6.1. será formada uma comissão para análise dos contos, composta por professores, escritores e jornalistas. Critério de avaliação:
- criatividade e originalidade na abordagem do tema proposto;
- objetividade, clareza, organização das ideias e adequação e correção da linguagem;
6.2.- essa comissão terá absoluta liberdade de avaliação, mantido o sigilo dos envelopes lacrados.
6.3.- após esse trabalho, até 10 contos com melhor classificação serão encaminhados, com os respectivos envelopes lacrados, para avaliação pela Academia Mineira de Letras,  que, a seu critério, revelará à organização do concurso - se considerar meritórios os textos -  os nomes dos três primeiros colocados, que serão incluídos no livro deste ano;
6.4 . após identificados, caberá à coordenação do evento contatar os autores dos contos vencedores.

7- DA PREMIAÇÃO 
7.1. o prêmio será a publicação dos até 3 contos vencedores junto com textos de outros autores já consagrados, em livro a ser editado neste ano;
7.2. cada um dos autores vencedores receberá,  pelo menos, 5 exemplares do livro, a serem enviados ao seu endereço, se morar fora da região metropolitana de Belo Horizonte. Se residir na capital, deverá recebê-los na sede do LGP, em data e hora combinadas;
7.3.- não haverá premiação em dinheiro, custeamento de transporte, hospedagem, alimentação ou quaisquer outras despesas. 

8-DISPOSIÇÕES GERAIS
8.1.-  o material enviado não será devolvido;
8.2.- casos omissos serão decididos pela entidade promotora, em Belo Horizonte;
8.3. - a inscrição  do concorrente implica a integral concordância com as normas aqui estabelecidas. Seu descumprimento implicará  em sua eliminação;
8.4.- o prazo limite do envio pelos correios será considerado pela data da postagem (30 de abril de 2020);
8.5.- informações adicionais e/ou esclarecimentos pelo telefone (31) 99149-9011 ou e-mail livrodegracanapraca@gmail.com.

                                     Belo Horizonte, 1° de março de 2020

José Mauro da Costa, professor e coordenador do Livro de Graça na Praça 

segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

Mensagem de Ano Novo

Estamos encerrando mais um ciclo. Ao longo  de 18 anos tivemos belas histórias, inúmeros obstáculos  e muitas vitórias.  Mediante participação altruísta  de cerca de 256 escritores de várias regiões, a contribuir pelo fortalecimento de nosso projeto,  visando ao desenvolvimento da Educação em nosso País. 
Que em 2020 possamos viver novas oportunidades, 
vencer  desafios e realizar nossos sonhos.

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Livro de Graça na Praça no Ceará

Xilogravura representando o Livro de Graça na Praça no Cariri (CE), 
de autoria do conhecido artista plástico Maércio Siqueira.

terça-feira, 8 de outubro de 2019

LGP em Crato. Apresentação de José Flávio Vieira

LIVRO E LIVRE SÃO SINÔNIMOS

"Um público comprometido com a leitura é crítico, rebelde, inquieto, pouco manipulável e não crê em lemas que alguns fazem passar por ideiais"

Mário Vargas Llosa

              Um dos primeiros sintomas  do advento das tiranias é a perseguição e queima de livros. Heine dizia que logo depois do incineração  das páginas  começam a queimar seus autores. Essa regra é um claro diagnóstico do poder revolucionário do livro e da sua capacidade de mudar os rumos do planeta. No Brasil , que volta a sonhar novamente com as piras, dá para se ter uma percepção nítida das causas da tragédia que nós próprios semeamos. Dados de 2011 do IBGE mostram que apenas a metade da população tem o hábito de ler. Em 2017 o brasileiro lia menos de dois livros e meio por ano ( nos EUA são mais de cinco e na França, sete). O hábito da leitura  é diretamente proporcional  à  renda familiar, ao grau de escolaridade, à vida urbana e à juventude. Além de tudo, dados de 2017 demonstram que mais de 7% da população brasileira ainda são de analfabetos e, mais,  acredita-se  que mais da metade dos alfabetizados  não tem um nível de alfabetização considerado básico. Dados de Oxford apontam que as chances de uma mulher com leitura ter um cargo profissional alto aumentam de 25 para 39% e , no caso do homem, de 48 para 58%. A leitura, amigos, tem uma relação direta com nossa ascensão humana e profissional e com a possibilidade de mudar o mundo à nossa volta. Por isso, a Educação é revolucionária e libertadora  e, compreensivelmente, perseguida com o massacre da escola pública, os baixos salários dos professores, o patrulhamento de aulas e disciplinas. Político corrupto , eleito pelas elites econômicas do país, vai incentivar os crescimentos humano e político do povo para nunca mais ser eleito ? Como dizia o prof.  Darcy Ribeiro : o sucateamento da escola pública no Brasil não é um mero acaso, mas um projeto de governos.
          Ah ! Mas no meio desta catástrofe, existem sempre inciativas que nos trazem alento e nos permitem pensar num futuro diferente e num mundo mais justo e solidário. As grandes transformações no curso da humanidade dependem muito mais de pequenas inciativas de visionários do que das grandes convulsões sociais.  Vêm da Minas de Tiradentes , de Rosa e Drummond ventos promissores. Pessoas que sonham ser   possível borrifando seu orvalho matinal, apagar os incêndios da floresta. Basta que este hábito seja seguido por outros borrifadores e o orvalho possa se tornar chuva torrencial. Há quase vinte anos, um professor de Língua Portuguesa, aposentado, ao visitar a escola onde havia trabalhado em Belo Horizonte, descobriu estupefato que os alunos e até os novos professores simplesmente não conheciam a Literatura Brasileira. José Mauro Costa teve a ideia de juntar outros colegas, arregimentar escritores e publicar, anualmente, um livro adulto e um outro infantil, distribuindo gratuitamente , todo ano, na Praça da Liberdade em BH ( hoje na de Santa Tereza),  numa grande festa da cidadania.  Os números do feito são impressionantes: mais de 350.000 exemplares doados à população e o envolvimento de quase 230 escritores das mais diferentes regiões do Brasil, inclusive este pobre escriba. O projeto terminou por disseminar-se por outras cidades do país e até já aconteceu em Montevideo e em Toronto. 
           Este ano , ele aporta aqui em Crato, quando se espalhará na Praça Siqueira Campos, no próximo sábado, dia 5 de Outubro. Vem com a chancela do Instituto Cultural do Cariri, com um cartel de 66 anos de serviços prestados à nossa cidade e o apoio da Secult/Crato, do Estúdio Caravelas, do Instituto Fernando Sabino de Belo Horizonte, do CEJA/Crato , do Rapadura Cuturarte, do Coletivo Cordel & Arte, do SESC e da Academia dos Cordelistas do Crato. Pretende, nas edições seguintes, perpetuar-se, envolvendo os escritores caririenses, nesta grande batalha pelo incentivo à leitura e ao amor aos livros . No fundo, percebemos que bem além do simples ato de ler, chega junto a possibilidade quase única de transformar destinos e vidas e reconstruir um país que, mal começou seu tortuoso processo de construção,  já se encontra  em pleno estado de desmoronamento.

José Flávio Vieira
Médico, escritor e historiador
Crato, 02/10/19
                                   

Fotos do LGP em Crato